Entrevista com Luiza Fortes

luiza fortes

Tatuadora conta sua trajetória de sucesso e fala sobre seu novo estúdio

Com 26 anos de idade e tatuando desde os 21, a carioca Luiza Fortes vem se destacando com uma das grandes tatuadoras da nova geração. Com trabalhos marcados pela beleza, ela falou com o Mundo Tattoo em uma entrevista exclusiva sobre a sua carreira e o seu novo estúdio que acaba de abrir no Rio de Janeiro.

Quando começou sua relação com a tatuagem? Eu comecei a gostar de tatuagem mesmo com meu pai, que tinha uma que eu gostava muito e aí eu sempre tive vontade de fazer, mas ele sempre me pediu pra esperar um pouco. Acabou que com 16 anos eu fiz a minha primeira, uma borboleta. Na época não tinha a restrição de 18 anos que existe hoje, que eu acho importante porque a cabeça de 16 é diferente de quem tem 18 anos, e fazer uma tatuagem é algo que deve ser feito com muita certeza.

Quem te inspirou a ser tatuadora? A minha primeira tatuagem foi uma borboleta com a Lia, da Banzai Tattoo, e foi com ela na verdade que me deu uma vontade de ser tatuadora.

E como foi o começo da carreira? Eu estava fazendo faculdade de desenho industrial e aí eu conheci o Sandro, que hoje tatua no Ipanema Ink. Ele me chamou pra trabalhar no estúdio dele, fiquei um tempo e depois fui pra outros estúdios. Eu comecei com 17, mas eu sempre parava um tempo pra me dedicar a faculdade, então, por isso que eu digo que eu comecei a tatuar mesmo, com 21 anos.

Você trabalhou com alguma coisa ligada à sua faculdade? Sim. Eu trabalhei como desenhista de quadrinhos, mais especificamente de Mangá, e acabei trabalhando como freelancer para um escritório de design, mas eu me encontrei mesmo na tatuagem.

Sente saudade dessa época? Olha, comparando com o trabalho de tatuadora, uma coisa boa que tinha na época era o horário para entrar e pra sair, que não existe muito pra quem trabalha com tattoo.

Quando deu aquele estalo de “vou tatuar profissionalmente”? Acho que foi quando pegou a questão financeira mesmo, pois eu queria poder me bancar sozinha Sempre amei tatuar, e aí você começa a ver as coisas de outra maneira.

Em pouco tempo o seu trabalho já é reconhecido e inclusive você já tatuou fora do Brasil. Como foi essa experiência? Eu fui fazer um curso na Alemanha no ano passado, e tatuei em um estúdio por lá e aconteceu a mesma coisa quando fui pra Londres. Na minha última vez na Alemanha, em Hamburgo, eu fui como convidada mesmo e passei um mês por lá. Esse ano eu ia de novo, mas com a abertura da loja, deixei pro ano que vem, e vou dar atenção aos meus clientes aqui.

E conte como está sendo essa fase nova de estúdio novo.– Eu sempre quis ter um estúdio só meu e de um ano pra cá, eu comecei a guardar tudo que eu ganhava só para isso, e aí foi quando eu achei que tava na hora certa para abrir a loja, que foi toda reformada. Hoje estou tatuando no máximo dois clientes por dia, além de ter no estúdio o Antônio Sabá, que é uma super ajuda pra dar conta dos cientes.

Quer conhecer o trabalho e o estúdio de Luiza Fortes? Então acesse:

Facebook – Art Line Tattoo Studio

Site – Luiza Fortes

 

« Voltar

Uma resposta até agora

  1. valeria coscarelli disse:

    Luiza sei que voçe é muito ocupada e conseguir uma vaga com voçe é muito difícil,mas eu venho lhe pedir com toda a minha humildade para que possa conseguir um horario que voçe possame atender,moro num sitio em Valença e tenho 54 anos,a minha vida toda convivi com uma cicatriz de uma cessaria que foi muito mal feita,pois na época eu tive uma infecção e a cicatriz ficou muito feia,fiquei viúva a 6 meses meu marido não reclamava da cicatriz mas eu sempre tive muita vergonha,agora estou apaixonada novamente mas não consigo ter uma relação normal com o meu namorado por conta desta cicatriz,gostaria muito é um sonho poder fazer uma tatuagem que disfarçasse esta cicatriz horrível que não me deixe livre para amar e ser feliz novamente,se voçe conseguir um horário para me atender serei eternamente grata,obrigada por ler a minha mensagem e aguardo ansiosa por uma resosta.muito obrigada valeria

Deixe um Comentário