Entrevista Alan Ramone

Alan Ramone_capa Entrevista

Um dos grandes nomes da tatuagem do Rio de Janeiro e conhecido por suas tattoos no estilo Old School, Alan Ramone conversou com a gente sobre a sua trajetória desde os tempos de Madureira até se firmar no Radha Tattoo (hoje Inglorius Tattoo), de Ipanema.

Então confiram a entrevista, porque a conversa foi boa!

Mundo Tattoo: Como começou a sua paixão pela tatuagem?

Alan Ramone: Eu sempre desenhei e comecei a me interessar por tatuagem na época do colégio, quando um amigo pediu para eu tirar um desenho que estava em uma revista de tattoo. Infelizmente eu tinha 13 anos quando isso aconteceu e claro, não pude começar a aprender a tatuar. Juntei dinheiro por 2 anos e com 15 anos eu consegui comprar o material para começar a tatuar, inclusive com a ajuda do meu pai, que entrou com uma parte do dinheiro. Mas ele só deixou com uma condição: não podia tirar nota baixa no colégio e nem me rabiscar, se não ele tomava tudo de mim. Na época, eu comecei a tatuar retocando desenhos de uma galera do bairro que era mais velha e que já tinha tatuagem.

MT: E quando você começou a tatuar profissionalmente?

AR: Foi em 2002, quando eu fiz 18 anos. Comecei a tatuar em Madureira, em um estúdio chamado Big Arte, que hoje fica em Campo Grande. Foi ali que eu aprendi como é a vida de tatuador, o dia a dia, era uma loja no Shopping de Madureira. Depois disso passei por estúdios em Realengo, Campo Grande e Barra. Até que em 2003 eu comecei a tatuar aqui em Ipanema no Radha Tattoo, de 2003 a 2006. Depois disso, eu fui pro Méier para tatuar no estúdio do Marcão Tattoo, onde tinha tatuadores mais experientes e foi onde eu aprendi muita coisa do que eu sei hoje. Lá eu pude ver como era tatuar em um estúdio conhecido, que trabalhava com tatuagens grandes e sentir a pressão do dia a dia. Foi uma experiência muito boa.

Alan tatuando no Flash Day da Homegrown. Foto: Henrique Madeira

Alan tatuando no Flash Day da Homegrown. Foto: Henrique Madeira

MT: Depois de ganhar toda essa bagagem, você conseguir ter o seu próprio estúdio. Como foi isso?

AR: Pois é. Depois de um no Marcão, ele decidiu fechar a loja e passar um tempo na Espanha. Foi então que surgiu a chance de eu assumir a loja da Radha em Ipanema, pois o dono, que não era tatuador, não queria mais ficar com ela. A loja tinha uma pegada mais comercial, então, nós quisemos deixar a loja com a nossa cara. Mudamos totalmente o estilo de atendimento, tirando todos os catálogos de desenhos e trabalhando apenas com trabalhos autorais. Junto com a mudança de trabalho, a gente decidiu mudar o nome da loja para Inglorious Tattoo.

MT: Não dá pra deixar de perguntar. Porque o nome Inglorius Tattoo?

AR: Ah, é porque a gente se sente um pouco bastardo no meio de toda essa glória que existe hoje em torno da tatuagem e dos tatuadores, com programas de tv e tudo mais. Nós trabalhamos só com hora marcada e com um trabalho mais personalizado, com a cara do cliente. Quem tatua com a gente já conhece o nosso estilo, que é mais o Old School.

MT: A loja de vocês está bem no coração de Ipanema. Como manter essa característica de trabalho personalizado?

AR: Uma coisa boa do nosso estúdio é que ele fica em um ponto comercial, bem localizado, mas ao mesmo tempo é escondido, nos fundos da galeria, então ficamos com mais privacidade para poder tatuar e também para desenhar, que é parte importante do nosso trabalho.

tattoo alan

MT: Apesar de os clientes já saberem o estilo de trabalho de vocês, ainda aparece gente querendo fazer uma coisa mais comercial e menos autoral?

AR: 90% do que a gente faz é tatuagem do nosso estilo, customizada, para cada cliente, mas de vez em quando aparece gente querendo fazer tattoos mais comerciais. Mas é difícil. A maioria vem sabendo como a gente trabalha.

MT: Como você vê a nova geração de tatuadores?

AR: Olha, tem muita gente boa surgindo. Quando eu comecei, não era todo mundo que pensava em ser tatuador e viver disso. Hoje já é possível, e essa galera já vem com muita referência de trabalhos e artistas.

MT: E qual a dica que você dá pra quem tá começando?

AR: Dedicação e amor à tatuagem. É preciso de dedicar muito para se destacar, fazer bons trabalhos e evoluir sempre. E claro, ter paixão por aquilo que está fazendo.

tattoo coroa alan

« Voltar

Deixe um Comentário